Passatempos:

As Rãs que Pensavam que eram Peixes - Cristiano Ghibaudo [Opinião]


.


As Rãs que Pensavam que eram Peixes
Como usar os seus talentos para projectar o futuro e desfrutar do presente
de Cristiano Ghibaudo

Edição/reimpressão: Outubro de 2010
Editor: Gestãoplus
Páginas: 136
ISBN: 9789898115553

SinopseNo Charco Tranquilo, tudo é… tranquilo, mas Lara é uma rã em busca de sentido e decide não se limitar, como as outras rãs, a uma vida acomodada. Parte à aventura e descobre que o talento e os sonhos andam de mão em mão.
Clima óptimo, comida abundante, ausência de predadores famintos: o Charco Tranquilo parece ser o sítio ideal para uma rã viver. As rãs deste charco vivem tão bem que chegaram ao ponto de acreditar que são peixes! Mas a jovem Lara não se deixa convencer pela filosofia de «gozar e deixar andar» que prevalece no charco; uma inquietação interior leva-a a questionar o próprio sentido da vida. Decide então fazer algo inédito: abandonar o charco e partir à descoberta do mundo. Assim, inicia uma viagem que a levará ao encontro de amigos, obstáculos, aliados e também inimigos; descobre coisas novas, comete erros e, sobretudo, aprende - a dar saltos cada vez maiores, a ultrapassar as fronteiras das suas limitações e a não renunciar aos sonhos, aconteça o que acontecer.



Ponto de Vista: Fui impulsionada para ler este livro por uma amiga* destas andanças de livros e leituras e, que partilha também comigo o gosto por fábulas e contos infantis, porque podemos já não ser crianças em idade mas permanecermos em espírito permite-nos por momentos viver um mundo colorido onde existe sempre um final feliz e de onde podemos tirar sempre uma lição.

Gostei muito de ler este pequeno livro que me deu a conhecer o Charco Tranquilo e toda a sua comunidade de rãs, insectos, nenúfares e seixos assim como uma rã diferente, Lara, que apostou a sua vida na mudança, a única que nunca quis fazer parte de nenhum grupo e que procurava outro significado para a sua existência que não fosse apenas comer, tagarelar e dormir, como todas as outras companheiras do Charco.

“…no fundo, cada rã tem a sua própria vida nas suas mãos e pode fazer dela o que quiser.”

Com a ajuda de Jerry, um pardal, parte à aventura para descobrir o que está do lado de lá do Charco Tranquilo, e para além de conhecer outros animais e formas de vida, descobre que também ela tem capacidades que até então desconhecia e que lhe permitem ultrapassar obstáculos.

“Sobrestimam o que podem fazer em pouco tempo, mas desvalorizam o que podem fazer a longo prazo.”

Uma história muito bem conseguida complementada por ilustrações cómicas que retratam as várias passagens do livro. Não é um livro infantil, apesar da simplicidade da narrativa, é sim um livro para adultos “ocupados” que não podem despender de muito tempo para a leitura nem para textos demasiado profundos.
As Rãs que Pensavam que eram Peixes está repleto de ensinamentos, que nos fazem ver como é a sociedade actual e o quanto custa sermos diferentes e apostarmos na mudança.

“Uma história que fala ao adulto que procura ou que está em dificuldades, agarrando pela mão a criança que ele foi, e que usa palavras e tons familiares para nos transmitir a certeza de que é possível enfrentar novos desafios e oportunidades, tal como a Lara fez.”
In Posfácio por Silvana Garello

Em estrelas: 4{


Outro Ponto de Vista…

Aqui está uma fábula muito engraçada. Tudo se passa no Charco Tranquilo, que tal como o nome, é mesmo tranquilo. E neste belo lugar cheio de nenúfares e libelinhas vive uma colónia de rãs que passam o seu tempo debaixo de água, a comer, dormitar e não fazer nada. Todas menos uma: a Lara. Lara é uma rã curiosa e cheia de objectivos que um dia parte à aventura. E enquanto ela descobre o mundo para lá do lugar onde mora, a crise instala-se no charco.

Apesar de ser uma fábula, este livro pode ser entendido como uma grande sátira à humanidade e ao mundo em que vivemos.
Existem rãs de todo o tipo, aquelas que não fazem nada, as revolucionárias
,
que temem a mudança e que são contra ela, tal como o ser Humano.
Pode também ser visto como um livro de auto-ajuda, com imensos conselhos para que qualquer pessoa possa "sair do charco" e seguir com coragem e sem medo, um caminho diferente do que está habituado.

Com ilustrações muito engraçadas, este um livro que pode não chamar a atenção à primeira vista, mas é muito engraçado e pode causar surpresas, que nos levam a pensar, a considerar, a aprender e que eu aconselho que leiam.

Para terminar, deixo um dos conselhos da Lara: "Para avançar, é importante saber pensar nos imprevistos e nas dificuldades como oportunidades de crescimento."

…*Verónica Silva, amiga e companheira de leituras (e não só!)



A visitar:

6 Responses to “As Rãs que Pensavam que eram Peixes - Cristiano Ghibaudo [Opinião]”

  1. Adoro sátiras, parece ser muito giro =)

    Beijinhos*

  2. Gostei, particularmente, das ilustrações tds em tons de verde e mto cheias de humor q retratavam na perfeição várias passagens da história.
    Depois sou uma perdida por fábulas e contos infantis q se leem a brincar e q proporcionam momentos de verdadeiro deleite, ñ sou dada à fantasia/fantástico p adultos, mas o mundo infantil é sempre doce...
    Apesar, de andar numa fase um tanto ou quanto... acho q consegui absorver este livro q realmente é de valor.

    Beju GD nha Joana ;)***

  3. verónica says:

    Ora bem Sô dona Marta. Não tava mesmo nada è espera desta surpresa tão agradável. Nem tenho mtas palavras para dizer.
    Obrigada por acrescentares também o meu comentário. Deves ter-lhe achado piada, para o publicares. =) lol
    ...
    Faltam-me palavras. Eu sei k avisas-te que era algo singelo, mas são estas pequenas coisas que à partida parecem não ser muito importantes, mas que na realidade são as que tem mais valor.

    E foi ou não foi umas horitas bem passadas com este pequeno livro?

    Beijão grande e até à próxima aventura.

  4. Sabes bem o q já te tinha dito sobre este assunto... Gostei sim da tua opinião e cm o livro tinha sido aconselhado por ti achei por bem pôr aqui a tua opinião, ainda bem q ñ achaste abuso! ;)

    Pelo menos, dos pcos livros q temos em comum pp ñ pôr aqui os nossos pontos de vista q cm tu dizes ñ são bem iguais, já q eu tenho os pés cá em baixo e tu lá em cima!? =D
    Acho q completaste o meu pensamento, e deste outro lado às coisas, isso ajuda e é sempre bem vindo! ;)

  5. verónica says:

    Atenção... nem sempre lá em cima... lol
    Só para que fique registado. Não me importei nada portanto fica descansada. Acho k ficou giro pk é como dizes as nossas opiniões complementam-se. Até pk ambas gostamos do livro, senão não seria assim tão fácil. lol
    Este foi o melhor comentário k já fiz a um livro...lol

  6. Sim, acho q realmente te inspiraste!... E msm q uma tivesse gostado do livro e outra nem tanto, isso é bom, dai se vê q cada pessoa pode sentir o livro de forma diferente e só saberá se o ler.
    Eu até posso ler opiniões sobre determinado livro, mas se eu tiver msm vontade de o ler ñ me vou deixar influenciar, acho q aquele primeiro impacto q o livro nos causa é q conta e ñ o q dizem dele.

    Ah, e tens pelo menos mais um (em comum) p te inspirares, portanto já sabes... ;)

Your Reply

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Ouvindo...

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 2.5 Generic License